Expresso Mulher

Tudo sobre o mundo feminino você encontra aqui!

Varizes: problema muito além da estética

Foto de marcinha
  • varizes

Quem tem varizes sabe o quanto incomoda, além de doer bastante, dependendo do caso. Quem tem este problema, sabe bem que a estética não é o principal desconforto.

Agora, o que muita gente não sabe, é que as varizes podem indicar o primeiro sinal de uma insuficiência crônica que pode atingir tanto mulheres quanto homens, sendo mais comum a partir dos 30 anos.

As varizes não aparecem do nada, elas surgem quando há uma retenção de sangue nas veias normalmente acarretada pela incompetência das válvulas venosas.

As veias servem para levar o sangue trazido pelas artérias para a perna, de volta ao coração, ou seja, trabalham contra a gravidade. Nossas veias também possuem válvulas que ajudam o sangue a não voltar e assim, o sangue acaba tendo somente uma direção a seguir. Quando a válvula sofre algum dano, o sangue que deveria subir para o coração começa a ser levado para baixo novamente e acaba ficando acumulado com o sangue que estava subindo. Este acúmulo de sangue faz com que a veia se dilate, o que acaba ocasionando um aspecto feio nas pernas.

Como disse acima, o maior problema não é a estética e sim, dores, feridas, inchaço, trombose e até alterações na cor da pele. Algumas causas para o aparecimento das varizes são:

  • hereditariedade;
  • gravidez (já que as alterações hormonais aumentam o volume sanguíneo e a compressão do bebê na barriga da mãe, dificulta o retorno do sangue. Por isso, que muitas gestantes ficam com os pés inchados.)
  • pílulas anticoncepcionais, principalmente aquelas que possuem o estrogênio que acaba alterando as paredes das veias, danificando assim, as válvulas.
  • ficar sentado por muito tempo, que acaba por diminuir o retorno sanguíneo para o coração, aumentando o volume das pernas (inchaço) e para quem tem varizes isso pode prejudicar ainda mais.
  • pouca ingestão de água.
  • o uso de roupas apertadas.
  • alimentação pobre em fibras.

Quando estamos deitadas, o trabalho das veias é realizado sem nenhum esforço. Quando estamos sentadas ou em pé e parada, o sangue passa a ter dificuldade para subir, pelo fato de estar contra a gravidade. Já quando estamos em movimento, há a contração muscular, o que acaba ajudando no trabalho das veias sem dificultar o retorno sanguíneo.

O salto alto limita a movimentação da panturrilha que diminui a capacidade de bombeamento da sangue através das veias e não podemos esquecer de que a panturrilha é considerada o coração da perna.

Para a mulher que passa muitas horas do dia sentada é indicado fazer algum exercício para as pernas. Uma boa dica: quando estiver nesta situação, apoie os dois pés rente ao chão e comece a levantar somente os calcanhares e repita o movimento até que o peso esteja todo sobre os dedos. Em seguida, comece a abaixar os calcanhares aos poucos até colocá-los rente ao chão novamente. Faça isso quantas vezes você quiser e eleve as pernas sempre que puder.

Outra coisa, não confunda varizes com vasos! Os vasos tem em média 1 mm de diâmetro enquanto que as varizes, podem chegar a 3 mm.

Não esqueça: se você tiver varizes, procure um médico. O diagnóstico é feito através do exame de pele e se necessário, será pedido um ultrassom Doppler Colorido Venoso de Membros Inferiores e com o diagnóstico em mãos, o médico irá propor o melhor tratamento que poderá chegar até ser cirúrgico.

A meia de compressão (aquela que tanto incomoda e que muita gente não usa durante o tempo necessário), faz uma compressão mais forte na região do tornozelo e vai diminuindo em direção a coxa, assim, acaba por direcionar o retorno do sangue ao coração.

Na maioria das vezes e principalmente as mulheres, se preocupam mais com a estética do que com qualquer outra coisa, mas não se esqueça de que a beleza não é tudo!

Compartilhe:
Categoria: 
Marcinha Borba
Paulista, cirurgiã-dentista e pós-graduada em Periodontia. Apaixonada por sua família e amigos. Descobriu o prazer em escrever e compartilhar temas relacionados ao mundo feminino.